Facestore – “Indústria 4.0 – Economia Digital”

Facestore – “Indústria 4.0 – Economia Digital”

A Facestore esteve na passada segunda feira (30/01/2017) na Escola Superior de Tecnologia e Gestão, em Leiria, na apresentação das 60 medidas da iniciativa “Indústria 4.0 – Economia Digital” promovido pelo Governo Português.
Para a Facestore tem sido um enorme gosto fazer parte do grupo de trabalho “Moda e Retalho” desde o inicio e assim contribuir para que todas as empresas Portuguesas possam ter a sua presença online.

O Governo apresentou as 60 medidas destinadas à quarta Revolução Industrial (Indústria 4.0). Este programa vai representar uma injeção total de até 4,5 mil milhões de euros na economia, sendo que metade deste montante (2,26 mil milhões de euros) vem de fundos europeus.
A apresentação destas medidas esteve a cargo do secretário de Estado João Vasconcelos.
Pode visualizar em baixo as cinco principais medidas deste programa, que foi elaborado após a audição de mais de 200 empresas e startups em quatro grupos de trabalho constituídos desde abril de 2016 em áreas como retalho, o turismo, o automóvel, os moldes ou a agro-indústria.

  • Vale Indústria 4.0 dá 7500 euros: Mais de 1500 pequenas e médias empresas vão beneficiar do vale indústria 4.0, avaliado em 7500 euros. Este incentivo vai custar, ao todo, 12 milhões de euros e vai apoiar a transformação digital destas empresas e a adoção de tecnologias para provocar grandes mudanças nos modelos de negócio tradicionais.
  • Formação digital para 20 mil pessoas: A formação em novas tecnologias para 20 mil pessoas no ativo visa aproveitar a atual geração de trabalhadores e para criar novas oportunidades de emprego. O ensino de código (área da programação) desde o primeiro ciclo e a reforma dos cursos profissionais técnicos são outras das principais medidas da estratégia 4.0.
  • Vistos para mais qualificados: A criação de uma política de apoio ao recrutamento dos estrangeiros mais qualificados é outra das medidas. Pretende-se mesmo reforçar a política europeia de vistos para a captação de quadros técnicos em engenharia e novas tecnologias. Os beneficiários poderão ter condições de trabalho como os cidadãos nacionais.
  • Grandes empresas reforçam formação: PT, Huawei, Bosch, Siemens, Autoeuropa e Peugeot-Citröen são algumas das grandes empresas que vão lançar programas próprios de formação de trabalhadores e cooperação com pequenas e médias empresas para estimular a inovação ao longo dos próximos anos. As universidades também vão estar envolvidas.
  • Rota da internacionalização: As empresas tecnológicas portuguesas vão poder exibir-se em algumas das principais feiras da área da inovação já a partir do final de março deste ano. Portugal deverá ainda criar eventos internacionais em locais estratégicos para promover o trabalho nacional.

  

Pode visualizar a notícia completa aqui .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *